Arquivo de etiquetas: inteligencia social

Armário Cápsula – O que é e como montar o seu.

Share Button

Olá Bauzetes e Bauzeiros. Vamos conversar sobre estilo de vida? O papo hoje é sobre slow fashion, consumo consciente, Armário Cápsula.

Armário-cápsula é um termo criado pela britânica Susie Faux nos anos 70, consiste em ter uma pequena coleção de itens essenciais e atemporais.

Atualmente o termo também se refere a um grupo de peças que quando combinadas entre si, maximizam o número de looks. O objetivo de ambos os conceitos é ter looks ideais para todas as ocasiões mas sem gerar acumulo de peças.

O desafio raiz é viver com apenas 37 peças de roupas que são atualizadas a cada três meses – sem comprar nada nesse período.

Montagem:

Existem diversas formas de organizar um armário-cápsula, o que eu defendo é colocar sua personalidade e necessidades nele, a sugestão é uma coleção a cada estação. A ideia é não comprar nada, nada, nada durante esse período, exceto necessidades extremas. E as peças de cada estação serão guardadas para a volta da temporada.

A quantidade de roupas é uma escolha pessoal 15, 30, 45… E nesse número, incluem-se também os acessórios como bolsas, lenços e sapatos.

Eu decidi viver essa experiência e comecei a movimentar a transição.Por que? Porque eu sempre mantive um número mínimo de roupas, mas descobri que posso viver e me sentir melhor com bem menos. Isso tem muita coerência com meu estilo de vida e minhas escolhas atuais.

Como eu vou fazer: Montar meu armário com no máximo 45 peças de base, não farei a troca entre estações, exceto das peças extremamente sazonais como lãs e biquínis.

Como começar:

  1. Autoconhecimento: Defina seu estilo. Sugiro as perguntas: Como gosto de me sentir? / Como quero parecer?
  2. Qual meu esquema de cores: Você não precisa usar somente cores básicas se não gosta delas, armário cápsula não é privilegio dos básicos, mas busque dar preferência para cores neutras para as peças base. Olhe com carinho para atemporais, evite as “cores do ano”.
  3. Escolha seus padrões: Assim como as cores dê preferência aos atemporais.
  4. Opte por qualidade: A ideia é ter poucas roupas certo? Então elas precisam durar para ser usadas várias vezes. Qualidade e preço nem sempre estão atrelados, mas se em alguns casos estiver, pense nisso como investimento. Mais uma vez sugiro que as peças bases recebam maior recurso.

Na prática:
1. Faça uma boa faxina, desapegue, doe, venda ou troque as peças que não te representam mais. Mandar pra um Brechó é bacana, você capitaliza para as próximas compras.

2. Crie uma pasta de armário cápsula ideal no seu celular, isso ajuda na hora das compras. é tipo aquela lista que levamos ao super pra não comprar aleatoriamente.

3. Busque na internet aqueles quotes de itens básicos para um guarda roupa estiloso, pode te ajudar a não esquecer de nada.

Quais são os benefícios de limitar o guarda roupa:

  • Otimização de recursos:  Nada de desperdícios de peças, peças esquecidas quase sempre são compradas em duplicata.
  • Otimizar o espaço no seu guarda-roupa:  O que faz você enxergar tudo que tem e não comprar peças em duplicata rsrsrs… Sim tá tudo muito ligado!
  • Otimiza tempo: Pois facilita a escolha das roupas, são poucas opções, você realmente ama tudo que escolheu e tá tudo ao alcance dos olhos.
  • Reforço na identidade e auto estima: Afinal de contas vai vestir apenas o que você é, o que te projeta bem e o que realmente faz sentido pra você. A auto estima vem por tabela, coerentes com nossa identidade concentramos nossa intenção e modificamos nossas realidades (já falamos disso aqui)
  • Mais poder pessoal: Menos compras impulsivas exigem mais assertividade, a pratica de ser assertivo se torna um hábito, essa habilidade é somado a sua personalidade, aquela que fica contigo a vida inteira, não sai de moda e não é descartada quando rasga.
  • Otimização do dinheiro: Você não comprará roupas novas por pelo menos três meses ou mais como no meu caso. Nesse período terá tempo para organizar suas finanças.
  • Dar mais valor a você se tornar mais criativa: Pois será a principal peça base e  terá que desenvolver muitas combinações com pouco, esse despertar da criatividade exercita em nós a habilidade de gerenciar recursos e solucionar crises.
  • Vai cuidar da saúde: As roupas precisam servir por mais tempo.

Economicamente, ecologicamente e socialmente saudável, essa é a minha escolha pro momento, vou adorar saber o que vocês estão aprontando por ai. Vamos cocriar!

Talvez esses outros artigos te interessem: Consumo compulsivo e Minimalismo.

Beijos e Iluminem-se!

Bel Ramalho – Comunicóloga / Coach Executivo e d Vida.

Share Button

Crença limitante x Crença poderosa – Reprograme sua mente!

Share Button

Bauzetes e Bauzeiros bem vindos mais uma vez! Hoje vamos conversar sobre Crenças, então caneta e papel na mão, anotação é alta performance!

Do ponto de vista do Coaching, CRENÇAS  são verdades individuais.  Tudo aquilo no que acreditamos e que faz muito sentido para nós, mesmo quando somos sabotados por elas.

Como se forma o nosso sistema de crenças?

Através de toda experiência que temos ou aquilo o que nos é ensinado desde o inicio de nossa vida, sobretudo quando começamos a desenvolver nosso processo de identidade ( o que se dá dos 0 aos 7 anos, na fase da maturação física e percepção do eu, segundo a Teoria dos Setênios.)

Basicamente nessa sequência:

1. Algo acontece.

2. Interpretamos a experiência e tomamos uma decisão sobre o que precisamos fazer para nos preservarmos ou sentirmos bem dentro de nossas idiossincrasias.

3. Passamos a ter certeza sobre aquela decisão.

4. Procuramos e acabamos por encontrar mais indícios de que aquela é a decisão mais “certa” para nós, ignoramos e negamos indícios contrários.

5. A crença começa a comandar nossas intenções e ações, o que acaba criando nossa realidade de acordo com a crença.

Essas crenças direcionam todo o nosso viver, sendo capazes de gerar doenças físicas e emocionais, nos fazer felizes ou infelizes. Vejam por ai a importância de desenvolver crenças poderosas, que nos tragam energia vital, saúde e comportamentos assertivos.

Exemplos de crença limitante: “Eu não sou capaz.” ” Nenhum homem presta.” ou ainda “Toda mulher é interesseira.”  Crenças como essas, desenvolvidas pela criação ou por experiências de vida mal sucedidas, limitam muitos homens e mulheres a desenvolverem relacionamentos afetivos doentios e destrutivos.

Como podemos atuar contra crenças desse tipo? Desenvolvendo crenças poderosas. Como? Inicialmente criando vozes internas de anulação. Por exemplo, quando ocorrer esse padrão de pensamento negativo, encontre uma voz que anule ou a substitua de maneira satisfatória e positiva, por exemplo: “Isso aconteceu pra mim, mas isso não sou eu.” ” Agora eu tenho ótimos relacionamentos.” Contudo se a crença negativa é forte ou enraizada frases desse tipo podem não ser boas o suficiente, então podemos nos colocar a disposição para vencer a crença, usando por exemplo: “Estou disposto a ter relacionamentos maravilhosos” , quando se diz estar disposto a resistência baixa, declarações desse tipo atuam consciente e inconscientemente, sendo mais fácil transcender crenças definitivamente, cognitiva e não cognitivamente.

Toda crença além de guiar comportamento e criar realidade, também tem vibração particular, então quando se compreende os sentimentos e a origem deles em seu sistema de crenças você consegue ver de maneira clara e consciente o que está liberando em termos vibratórios. Sua vibração está de acordo com o que deseja manifestar e consequentemente atrair?

Não é mística, isso é física quântica e PNL.

Você é um concentrador de energia, cria crenças que detêm vibração. As vibrações que você concentra em si, atrairão energias semelhantes, logo se você tiver uma crença de baixa autoestima emitirá essa energia e atrairá pessoas pessoas e situações que reforçarão em você esse sentimento, gerando novas experiências negativas, que reforçam ainda mais a crença num círculo de prejuízo, que sem lucidez e desejo de mudança será infinito.

Falando em mudança, se nota que algumas pessoas não mudam, é  a crença negando o desejo de mudança, o que chamamos de zona de conforto. Nesse caso é necessário gerar uma estratégia (VALE A PENA ANOTAR):  Identificar o cenário atual, o desejado, reconhecer as forças favoráveis e limitantes, então gerar os recursos  necessários para a mudança, diminuindo as limitações e fortalecendo as favoráveis. Muitas vezes é desafiador gerar esses recursos devido a interferência de pensamentos e comportamentos do próprio indivíduo.

Geralmente essas interferências são de três tipos: 1- A pessoa não desejar a mudança. 2 – Não saber por onde começar ou o que fazer ou/e 3 – Não se dar a chance de mudar.

Essas interferências têm um ganho secundário, cada crença negativa está camuflada de um beneficio talvez significativo para o sujeito (como uma criança que finge estar doente para ganhar atenção) identifique o ganho e tente proporcionar-se o mesmo benefício, sem a necessidade da sabotagem.

Exercícios práticos:

  1. Para mudar uma crença é preciso querer mudar, saber como e se dar a chance, mas antes é preciso acreditar. Como? Desenvolvendo crenças de poder pessoal, no início oralizando, você já ouviu dizer que “No início era o verbo”, justamente e continua sendo, tudo começa na palavra, tudo que falamos e pensamos não se desfaz, fica eternamente vibrando (já falamos sobre vibração). Então vibre no positivo, sugiro sempre usar: EU TENHO UMA CRENÇA… (ai então insira a crença nova e poderosa que sobreponha a antiga limitante)
  2. Favoreça fisiologicamente a mudança: Sempre que desejar algo, crie uma imagem do estado desejado olhando para cima e a direita. Será mais propicio do que se estiver olhando para baixo e a esquerda.
  3. Use a Estratégia que falamos antes, em negrito ali em cima.
  4.  Assuma um compromisso com a mudança: Seja coerente, intenção é extraordinariamente poderosa se concentrada, concentramos intenção alinhando nossas atitudes ás nossas intenções e valores. Fazemos o que falamos e falamos do que acreditamos.
  5. Não espere que a crença coincida com a realidade, entenda que inconscientemente não sabemos a diferença entre real e imaginário portanto, pense no positivo e insira recursos para que se forme crenças novas.
  6. Não crie resistência ao indesejado: Tudo ao que você  resiste, persiste. Como? Toda vez que na melhor das intenções dizemos por exemplo: ” Não quero agir de maneira impulsiva.” estamos criando resistência à impulsividade e vamos continuar a agir impulsivamente, pois nossa mente consciente entende a mensagem, contudo a mente inconsciente só sabe o que é o sim, ela retira o não da frase e envia apenas o comando “Quero agir de maneira impulsiva.”. Agora tendo conhecimento disso, vemos quantos pensamento negativos temos diariamente, embora que com intenção positiva. Mas isso é totalmente reversível, então reprograme-se, procurando sempre oralizar e pensar sobre o que você quer, ao invés do que você não quer. Fale e pense de maneira a criar as realidades que deseja para sua vida. Por exemplo: “Quero agir de maneira calma e consciente.”
  7. Mantenha um diário de auto monitoramento.

Isso é comunicação a favor! E com poder extraordinário. Fique de olho no blog, no nosso Ig e na nossa Fanpage, você também pode digitar Coaching na caixa de pesquisa e ler mais artigos como esse.

Tudo na vida é prática, ouse experimentar verdadeiramente esses conceitos por alguns dias e avalie os resultados.

Beijos e abraços apertados!

Bel Ramalho – Comunicóloga e Coach Executivo e de Vida

 

 

 

 

Share Button