Arquivo de etiquetas: consumismo

Liquidação de Inverno

Share Button

A temporada de inverno está quase acabando e diversas lojas já começaram as liquidações.

E quem é que não gosta de uma liquidação?

Nós mulheres somos apaixonadas. Eu então nem se fale, quando vejo uma, meus olhos até brilham de alegria!!! kkk

Mas é preciso ficar atenta. Há lojas que oferecem descontos mas mesmo assim o preço fica mais caro que nas outras. É importante pesquisar e aproveitar as melhores condições. Com certeza você vai encontrar os melhores preços e peças incríveis.

Essas foram minhas comprinhas:

roupas2

Fiquei muito feliz com minhas escolhas. Comprei peças que eu achei que realmente valiam a pena! Os preços estavam ótimos.

Mas não vai sair por aí dando uma de Becky Bloom e gastar mais do que deve! Compre somente o que for necessário e invista em peças que irá compensar e que você irá usar bastante. Fica a dica 😉

Aproveitem as liquidações e boas compras!!!

Até a próxima.

Bjos

Francine Rodrigues

Share Button

Calça Estampada continua em alta no Verão 2014

Share Button

O Baú Hype está quase fazendo aniversário. o/

Ele nasceu no Blogspot em 2009 e ficou lá até 2012. No dia 08 de agosto do ano passado ele estreou no wordpress com logo, mascote, layout, enfim, com uma identidade visual, essa que está no ar até agora. 

Estamos preparando algumas novidades p/ comemorar o aniversário do Baú.

Como eu sou ansiosa, vou apresentar uma hoje p/ vcs! =D

Agora o Baú Hype tem uma colaboradora! É a publicitária Francine Rodrigues, que mora perto de mim, na cidade de Roseira.

Convidei a Francine porque ela está sempre de olho nas novidades da beleza e da moda e tem o espírito do Baú, ou seja, gosta de coisas do bem que sejam de qualidade, baixo custo e fácil acesso.

Obrigada por ter vindo p/ cá, Francine! Tenho certeza q suas contribuições serão ótimas p/ a gente. =D

Com a palavra, nossa colaboradora Francine Rodrigues:

As calças estampadas apareceram no verão passado, continuaram na moda no inverno deste ano e permanecerão em alta no Verão 2014.

Tem estampa floral, animal print, étnica, militar… Enfim, estampas para todos os gostos. Dá uma olhada em algumas opções:

1078099_484667824958632_1859471512_n1079302_484667794958635_96208688_n1081236_484667744958640_1082283827_nEu já garanti a minha. Comprei na Loja Pernambucanas e paguei R$ 69,90. Amei! <3

1079296_484664738292274_584236149_nNo look, usei o blazer como terceira peça para deixá-lo mais interessante e Scarpin porque fui a um compromisso a noite. Mas dá p/ usar a calça durante o dia também com uma t-shirt, sapatilha ou rasteira.

1079345_488278247930923_1730159333_nA peça é versátil e por isso caiu no gosto de muita gente. Por exemplo, nossas amigas blogueiras Kelly Ane Agostinho, do Bem e Bela…sdfdsfdsgE Gabriela Castro, do Segredos de Travesseiro

944582_518077384913905_1015197061_n

Para quem tem vontade de usar calça estampada mas está com medo da proporção, a dica é usar top mais claro, se vc tem o tipo físico pera, ou seja, a parte de cima menor que a de baixo, ou top escuro se vc for do tipo triângulo invertido, ou seja, a parte de cima maior que a de baixo. Se vc é cheinha, escolha uma estampa com fundo escuro. Se vc quer ganhar uns centímetros, escolha estampa com fundo claro.

O top pode ser de cores básicas como branco, preto, bege, azul marinho e cinza, como eu, a Kelly e a Gabriela usamos, ou repetir alguma cor que tenha na estampa. 

Se você não tem ainda uma calça estampada, providencie uma que tenha a sua cara e arrase nos looks 😉

 Até a próxima.

 Bjos

Share Button

A moda e o trabalho escravo no Brasil

Share Button

bolivianostrabalhoescravoamericana1prt15div

O Baú Hype é um blog de coisas do bem, mas hoje quero falar sobre uma situação criminosa que às vezes a gente colabora sem saber ao comprar roupas em redes de fast fashion ou de marcas refinadas.

Se você digitar “bolivianos escravizados no Brasil”, vai ver centenas de referências sobre o que está acontecendo na indústria textil do nosso país.

São milhares de bolivianos que vêm p/ cá p/ trabalhar em oficinas de costura. Só que nessas oficinas eles viram escravos. Trabalham até 18 horas por dia, moram em condições subumanas, o salário é para pagar dívidas com os donos das oficinas, ganham cerca de 5 reais por uma peça que é vendida por mais de mil e por aí vai.

As marcas Le Lis Blanc e Bo.Bô, por exemplo, apareceram essa semana na imprensa porque estavam ligadas a oficinas de trabalho escravo.  Outras marcas acusadas de usarem mão de obra escrava são Cori, Emme e Luigi Bertolli (clique aqui para ler a matéria da BBC), Pernambucanas, Marisa, Zara e Lojas Americanas

Quero contar o que eu presenciei sobre isso. Na região onde eu moro (Vale do Paraíba – SP), estão sendo realizadas as chamadas Feiras da Madrugada. Estão trazendo as confecções do Brás, em São Paulo, que vendiam lá em uma feira durante a madrugada, para venderem suas peças aqui. As feiras são realizadas durante 3 ou 4 dias nas cidades da região.

Fui conferir a feira quando ela passou por Guaratinguetá. Os preços das peças eram muito acessíveis, mas o que mais me chamou a atenção foram as pessoas que estavam trabalhando. Acho que 80% (estatística minha) eram bolivianos. Tinha gente de todas as idades, de bebezinhos a idosos.

Uma cena que me chocou foi ver uma boliviana amamentando seu bebê, almoçando uma marmitex e atendendo o público, tudo ao mesmo tempo. Que loucura!

Fora outros bebês em seus carrinhos no meio da muvuca, crianças de 10, 12 anos trabalhando, idosos que aparentavam cansaço extremo, etc.

Se eles eram escravos eu não sei, só sei que naquele momento as condições de trabalho eram MUITO precárias. Falei sobre os bolivianos porque eles eram a maioria, mas os brasileiros que estavam ali se encontravam na mesma situação. Fui embora triste. Era evidente que aquelas pessoas estavam sendo maltratadas.

O objetivo desse post é alertar p/ essa situação que está muito próxima da gente. Vamos espalhar a informação e ficar de olho.

Se possível, evite as marcas que foram descobertas no esquema de escravidão e apoie as que você sabe que trabalham dentro da Lei.

Bjks

* Foto do Notícias Terra

Share Button

Hype x Hippie

Share Button

Tenho trabalhado bastante na divulgação do blog e uma coisa que percebo quando entrego o cartão é que algumas pessoas o chamam de Baú “Ripe” e não “Raip”, ou seja, não conhecem a pronúncia nem o significado do termo Hype. 

Tudo bem, ninguém tem obrigação de saber que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Há tantos termos que vcs usam e que eu desconheço. =/ 

Mas enfim, p/ que não haja mais dúvida, vamos explicar direitinho porque o Baú é Hype e não Hippie. 

A palavra Hype (RÁIP) vem de “hyperbole” ou hipérbole em português, que é uma “figura de linguagem que enfatiza ou exagera a significação linguística”. Por exemplo, “morri de rir”, “me acabei de dançar”, “comi como uma louca”, são hipérboles, ou seja, há um exagero na ação. 

No caso do termo HYPE, ele é usado quando algo é muito comentado, está fazendo sucesso, está em destaque na mídia e em nosso dia a dia. Por exemplo, de repente todo mundo só fala sobre determinada pessoa, acontecimento ou lançamento. Isso é Hype.  

Lembram do Gangnam Style? Foi um Hype. O Harlem Shake foi o Hype que veio depois. E a moda dos moustaches? Foi divertido ver tantas coisas com bigode.  

O Hype hoje são as peças com listras, especialmente as pretas e brancas. Parece que todas as lojas de moda feminina têm peças assim. É ou não é? Bom, eu tenho visto bastante por aqui.

Há quem critique o Hype porque geralmente é fruto de uma ação pesada de marketing, que faz de tudo p/ ganhar dinheiro com modinhas. Colocam lá em cima algo que sem o marketing não valeria nada. E do mesmo jeito que vem, vai embora. Ou seja, bobagem mesmo, sabe? 

Mas há também hypes que podem durar, que conseguem ficar “na boca do povo” por mais tempo. 

Por que o Baú é Hype? Quando o blog surgiu, em 2009, o termo estava em alta e a amiga que sugeriu o nome estava com ele na cabeça. Então ela juntou Baú, objeto que a gente usa p/ guardar coisas diversas e na maioria das vezes que têm valor sentimental, e Hype, que é esse “fervo” em torno de alguma novidade.

Eu adorei a sugestão. Adotei p/ o antigo blog/bazar e p/ esse de estilo, beleza e outras coisas que me dão vontade de dividir com vcs.  

Já o Hippie é aquele indíviduo que fez parte do movimento de contracultura dos anos 60 ou é simpatizante dele até hoje.

Os Hippies adotam na prática a máxima do “Paz e Amor” e da “Liberdade p/ dentro da cabeça”. Vivem sem seguir padrões ou evitam ao máximo segui-los. Usam roupas largas e coloridas, peças artesanais e se adaptam mais ao campo do que à cidade. 

Há quem não seja hippie mas goste da maneira confortável e colorida que eles se vestem. Então usam peças da moda chamada Hippie Chic e tem também a Boho que é uma mistura de hippie com boemia, romantismo, country e étnico. Não vou me aprofundar porque isso seria tema p/ outro post.

E então, ficou alguma dúvida sobre a diferença entre Hype e Hippie? =D Se tiver, deixa nos comentários que eu respondo, ok?

Bjks 

Share Button

Moda x Estilo

Share Button



Moda é mercado, ou seja, o que a indústria empurra p/ vc comprar. Tudo é moda, desde tecnologia até o que a gente come e veste. 
Hoje é moda usar tons terrosos, por exemplo. Vc entra nas lojas e só vê marrom e laranja. Azar se vc não gosta, é isso que tem p/ vender. Vc acaba comprando o que querem q vc compre, não o que vc quer comprar.  
Para quem é consumista, isso é um prazer e uma armadilha. Manter-se na moda custa dinheiro. Lá se vão cartões de crédito estourados por causa de umas peças “must have”. 
Particularmente, acho moda legal. Gosto de saber o que está ou estará nas ruas, mas a título de informação. Olho com cautela porque sei bem o que cabe no meu bolso e o que combina com meu corpo e estilo. 
Aí que entra a importância do ESTILO, que é usar o combina com vc, independente da moda.  
Quando a pessoa aprende a valorizar seu estilo, sente-se mais segura e se gosta mais ou seja, a autoestima melhora. Pode ver que uma pessoa que tem estilo, chama a atenção. Ela atrai olhares não necessariamente porque está usando peças da moda, mas pela sua postura positiva. Existe uma harmonia, a pessoa combina com o usa, sendo velho ou novo.  
Não estou falando de gente espalhafatosa, tá? Essas vão chamar a atenção até no escuro. E também não existe o estilo espalhafatoso. Existe o “criativo”, que gosta de misturar estampas e padronagens com bom senso. Também não estou falando mal de quem é espalhafatoso. Se a pessoa sente-se bem usando peças que chamem a atenção, beleza. É isso aí. Provavelmente ela estará feliz com sua imagem e é isso que importa, mais do que moda.    
Você pode estar por dentro de todas as tendências, usar as roupas mais caras e descoladas do planeta. Se não estiver de acordo com seu estilo, seu look moderno e caro vai aparecer. Só ele, você não.
Por isso, tome cuidado com a sedução da moda.  
Na hora de comprar roupas e sapatos, pense bem : 
– É um prazer momentâneo só porque está na moda ou vc realmente amou, adorou e combina com seu estilo? 
– Você tem pelo menos três peças no guarda-roupa que combinam com a que vc quer comprar? 
– Você vai usar bastante? 
– Precisa de ajuste? Às vezes fica mais caro que a peça. 
– Sua conta está no sinal verde? 
Se o seu estilo pede p/ vc comprar, comprar, comprar e você não pode ceder aos caprichos dele, coloque-o no cantinho da disciplina de vez em quando. 
Ter uma peça nova é ótimo p/ a autoestima, claro. Só não pode se tornar escrava disso p/ ficar bem. 
E como sair desse ciclo? Com educação, observação e respeito por si mesma. Assim você irá adequar o que a moda te oferece com o que vc quer, pode e precisa ter, de acordo com o seu estilo.


P.S. : Eu e minha amiga Leeh Trindade do Blog Miss Sainha tivemos uma transmissão de pensamento e postamos sobre o mesmo assunto hoje. Para ler o post dela, clique aqui

Share Button